PDT do Ceará discute atuação nas eleições 2014



O PDT do Ceará realizou, sábado pela manhã, o primeiro encontro estadual do partido para discutir a atuação da legenda nas eleições. O evento, em Fortaleza, começou às 10h da manhã e contou com a participação do ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, dos deputados estaduais Ferreira Aragão, Delegado Cavalcante e do vereador Iraguassú Teixeira, além de lideranças do partido no Interior. O deputado Heitor Férrer viajou e não foi ao evento.
O presidente nacional do PDT, o ex-ministro Carlos Lupi, também era esperado no evento, cancelou sua participação por compromissos em estados da Região Norte.
Apesar do encontro ter marcado o início das discussões acerca de como será o comportamento do PDT durante o processo eleitoral, André Figueiredo garantiu que a legenda subirá no mesmo palanque do governador Cid Gomes.
“Hoje, nós somos da base do governador e não temos o porquê pensar o contrário”, frisou o presidente.
O ministro Manoel Dias evitou opinar sobre como o PDT deve se comportar a nível estadual ao alegar que essa discussão deve ser restrita ao diretório do partido no Ceará, mas ressaltou que a legenda tende a apoiar a candidatura à reeleição da presidente Dilma Rousseff.
“Oficialmente, ainda tem que haver uma reunião do partido para que ele formalize essa decisão. Quanto aos estados, eles têm autonomia”, explicou.
Durante o encontro, o deputado federal André Figueiredo também expôs a vontade do partido em ampliar o número de deputados estaduais. Atualmente com quatro parlamentares, a vontade da legenda é garantir cinco vagas na próxima legislatura.
André Figueiredo lembrou também que a atual deputada Patrícia Saboya não tentará a reeleição e, para não perder essa vaga, o partido apostará no nome do vereador Iraguassú Teixeira. “Também temos alguns outros nomes para concorrer à Assembleia, que são o vice-prefeito de Caucaia, o vice de Itapipoca. Temos hoje uma nominata extremamente significativa”, acrescentou André Figueiredo.
Quanto às eleições para deputado federal, André revelou que isso será discutido posteriormente. “Com menos de 80 mil votos, é muito difícil você disputar para valer uma eleição para deputado federal. Então, vamos ter que partir para uma composição com outros partidos”, esclareceu o presidente estadual.

Comentários